Pubvet
5 artigos mais acessados em agosto 5 artigos mais acessados em agosto
A Pubvet elaborou uma lista com os cinco artigos mais lidos no mês de agosto! Aproveite para conhecer o que mais chama a atenção... 5 artigos mais acessados em agosto

A Pubvet elaborou uma lista com os cinco artigos mais lidos no mês de agosto! Aproveite para conhecer o que mais chama a atenção de nossos leitores.

Agradecemos a comunidade de pesquisadores e profissionais atuantes que fazem da nossa revista uma referência para as áreas de Medicina Veterinária e Zootecnia.


Staphylococcus spp.: importantes riscos à saúde pública

Staphylococcus, saúde pública, patogenia

“O Staphylococcus spp. são cocos gram-positivos da família Microccaceae, anaeróbicos facultativos, imóveis, não produtores de esporos e catalase positiva com ampla distribuição. É um dos agentes mais comuns responsáveis por surtos de intoxicação alimentar, por serem normalmente transmitidos aos alimentos. A intoxicação é decorrente da ingestão de enterotoxinas pré-formadas no alimento contaminado pela bactéria, a qual pode continuar viável ou não. As manifestações por estes agentes podem levar à doenças que são ocasionadas pela ação destes microrganismos patogênicos ou por sua toxina. Muitos são os sintomas, que podem facilmente ser confundidos com intoxicações alimentares de outros microrganismos. Por isso faz-se necessário um estudo mais abrangente de sua epidemiologia e das formas de contágio através dos alimentos”.

Autores: Renata Resende Prado, Eduardo Almeida Freitas, Edson Campos Valadares Júnior, Priscila Cristina Costa, Mariana Cristina Siqueira, Daise Aparecida Rossi


 

Eficiência da Ozonioterapia como protocolo de tratamento alternativo das diversas enfermidades na Medicina Veterinária

método alternativo, ozônio, ozonioterapia

“O ozônio foi descoberto em 1840 por Schönbein pela observação de um odor característico proveniente desse gás. A ozonioterapia é o uso de ozônio como medicamento ativo, no tratamento das mais variadas doenças. A aplicação do uso médico do ozônio está, entre as terapias bioxidantes, como a mais promissora pelo seu baixo custo de investimento e manutenção, facilidade de aplicação e resultados clínicos. O objetivo do presente trabalho é relatar a eficiência da ozonioterapia como protocolo terapêutico alternativo nas diversas enfermidades no ambulatório veterinário”.

Autores: Andressa Izabel Assis Freitas


Desbridamento com broca de diamante em gato com úlcera refratária: relato de caso

diamond burr, felino, sequestro corneal, tratamento, úlcera

“A úlcera refratária é caracterizada por uma lesão espontânea superficial da córnea, geralmente recidivante, e que não cicatriza dentro de um período habitual de tratamento. É ocasionada pela não aderência do epitélio ao estroma corneano. O diagnóstico é realizado pelo curso clínico e característica da lesão, observadas através de exame e testes oftalmológicos. Além do tratamento terapêutico adequado, deve ser removido o epitélio não aderente, a fim de facilitar o crescimento de novas células epiteliais, com complexos de adesão mais fortes. A broca de diamante (DB), destaca-se de forma promissora no tratamento para as úlceras refratárias, através da ceratectomia superficial. O procedimento com a DB é descrito em variadas espécies, contudo é raramente descrita em gatos. Dessa forma objetivou-se relatar o emprego da DB no tratamento de úlcera superficial não cicatrizante em um gato. O DB mostrou ser um dispositivo eficaz, de fácil aplicação, bem tolerado e seguro, na resolução de uma úlcera de córnea refratária num gato da raça Persa”.

Autores: Tarcísio Guerra Guimarães, Karla Menezes Cardoso, Fabricio Villela Mamede, Susana Faim, Ana Catarina Figueira, Hugo Vilhena


Síndrome nefrótica em cão secundária a Ehrlichia spp.

proteinúria, glomerulonefrite, hematozoário

“Erliquiose canina é uma doença infecciosa causada por um hematozoário do gênero Ehrlichia. Os sinais clínicos comumente encontrados são letargia, febre, anorexia, vômito, linfoadenomegalia, coagulopatia e lesão renal aguda. A síndrome nefrótica é consequência da glomerulopatia e se caracteriza por proteinúria, hipoalbunemia, edema ou ascite e hipercolesterolemia. O objetivo deste relato é descrever um caso de síndrome nefrótica causada por erliquiose em cão. Foi atendido uma cadela de 6 anos, pesando 15kg, que ao exame físico apresentou apatia, temperatura retal 40°C, mucosas pálidas, taxa de desidratação de 8%, ascite e edema de membros posteriores. Os exames bioquímicos demonstraram hipoalbunemia, creatinina, uréia e colesterol aumentados, o exame de urina apresentou densidade baixa e proteinúria, hemograma evidenciou trombocitopenia, anemia normocítica normocrômica e leucocitose por neutrofilia com desvio à esquerda. A pesquisa de hemoparasitas revelou a presença de mórulas de Erlichia sp. O tratamento instituído constituiu-se de fluidoterapia com ringer lactato, doxiciclina 10 mg/kg/VO/BID, furosemida 2 mg/kg/EV/TID, e ainda, atropina 0,04 mg/kg/SC e dipropionato de imidocarb 5 mg/kg/SC ambos em dose única. O animal veio a óbito devido a complicações da doença”.

Autores: Álisson Souza Costa, Matheus Matioli Mantovani, Suzana Akemi Tsuruta, Pablo Gomes Noleto, Monize Gerardi


Encarceramento intestinal em forame epiplóico: Relato de caso em equino

estrangulamento, cólica, cavalo

“O forame epiplóico é uma abertura natural na cavidade torácica que faz comunicação com a cavidade abdominal, localizado dorsalmente à fissura porta do fígado, fazendo contato com a veia cava caudal, veia porta, pâncreas, ligamento hepatoduodenal e com as alças do intestino delgado. Equinos diagnosticados com encarceramento de alça intestinal no forame epiplóico necessitam de tratamento cirúrgico, com prognóstico de reservado à desfavorável, sendo o íleo o segmento intestinal mais afetado nesta enfermidade. Além disso, por ocorrer um processo estrangulativo, o animal apresenta sinais de desconforto abdominal denominado de cólica e refluxo enterogástrico, porém os sinais clínicos são variáveis. Alguns animais na palpação apresentam intestino delgado palpável ou não e desconforto abdominal variando de leve a severo. O objetivo deste trabalho é relatar um caso de um equino da raça Quarto de Milha, fêmea, com 5 anos de idade, pesando 430 kg, com histórico de desconforto abdominal há dois dias e com dores intermitentes, proveniente do município de Batatais, atendido no Hospital Veterinário de Batatais, abordando a clínica do animal, o diagnóstico e o tratamento. Na palpação retal identificou alças um pouco distendidas e intestino delgado palpável e a punção do líquido peritoneal através da abdominocentese mostrou-se com coloração avermelhada. O animal ficou em observação, porém mesmo com todas as intervenções clínicas, o quadro de dor aumentou e com isso foi submetido à laparotomia exploratória, onde se diagnosticou o encarceramento no forame epiplóico. Diante do caso clínico abordado, conclui-se que o encarceramento do forame epiplóico pode levar ao comprometimento de alças intestinais significativo, progredindo para desestabilização do estado geral do animal, sendo fatores agravantes para o procedimento cirúrgico, passando a ser um caso de risco para o paciente. O animal deste relato foi submetido a eutanásia devido ao grande comprometimento das alças intestinais. Conclui-se que o diagnóstico deve ser realizado o mais precoce possível aumentando a chance de resolução com prognóstico favorável”.

Autores: Verônica Souza Santos, Dilma Mendes de Freitas, Franciele Júlia Coelho Borges, Laiane Cintra Alves, Ana Luiza Teixeira Amado Jorge, Marcos Figueiredo Pereira, João Victor da Silva e Silva, Maria Eduarda de Lourdes Vaz, Sabrine Morais dos Santos, Cândice Mara Bertonha

Pubvet

Somos, há dez anos, uma editora especializada em publicações na área da Medicina Veterinária e Zootecnia. Nossa missão é estabelecer a comunicação entre o campo e a academia :)

Sem comentários até o momento

Seja o primeiro a comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *